Valentine’s!

Por aí,  no mundo, é comemorado o Dia de São Valentim. É mais ou menos um Dia dos Namorados pra gente aqui, mas também é para amigos e pessoas queridas.

Então, eu que não fumo, queria um cigarro não sou de comemorar feriado algum, e eu, que não publico há exato um mês e não queria que assim fosse, resolvi trazer meus pas de deux favoritos!

Nunca o fiz porque não gosto muito de pas de deux, principalmente os clássicos, mas esses aqui roubaram meu coração e me dão vontade de dançar com o crush.

Tchaikovsky Pas de Deux, de Balanchine. Com Darcey Bussel (MARAVILHOSAAAAAAAAA) e Zoltán Solymosi.

Acho o pas mais romântico de todos. Adoro a música, a elegância da Darcey, a leveza do figurino!

 

Waltz Pas de deux, Dances at a Gathering, de Jerome Robbins. Com Karl Paquette e Ludmila Pagliero.

Esse pas é tão dramático e íntimo! Eu sou muito suspeita, porém, adoro esse ballet todo. Havia outra pas que eu queria incluir, mas achei 3 vídeos demais pra um post tão curtinho. Para os curiosos, é este aqui (gosto imenso quando o bailarino dança tanto assim).

Eu também amo o pas de deux da Waltz Girl em Serenade, de Balanchine. Aqui com a Sara Mearns e Jared Angle.

Vamos compartilhar o amô e os pas de deux favoritos! ❤

Anúncios

Notas de uma bailarina tímida

Sabe quando você tem uma característica e toma como certo que vai ser sempre assim? “Eu sou animadona e isso não vai mudar”, “Eu gosto de usar roupa preta e vai ser assim pra sempre”, “Vou manter meu cabelo longo e cabô”. Uma característica que você carrega no íntimo e parece ser a definição – junto de outras características – de quem você é?

Uma das minhas é a timidez. Ou era.

Vejam bem: antes, me chamar de tímida era falar que água é molhada. Mas, hoje em dia, eu quase brigo com as pessoas para elas acreditarem que eu sou tímida. “Eu sou sim!” É quase como se elas estivessem negando, ou não enxergando, uma parte inerente da minha personalidade.

O bom de crescer é que você percebe que suas certezas adolescentes são tão firmes quanto gelatina. Percebi que a minha timidez está sumindo aos poucos e… ¯\_(ツ)_/¯

Pra começar, eu era uma criança muito tímida, ratinho de biblioteca e com poucos amigos. Eu sempre falava rindo e tinha uma dificuldade enorme de conversar olhando nos olhos das pessoas. Quando nova, eu não via problemas nisso, claro, mas, cresci um pouco e percebi como poderia me prejudicar.

Acho que o primeiro baque foi quando fui apresentada a uns amigos de minha amiga e um deles perguntou a ela, depois, se eu tinha ~problema. Eu fiquei embasbacada! Foi aí que comecei a me observar e me corrigir.

A primeira coisa que tentei mudar foi olhar nos olhos. Me forçava até ficar desconfortável, mas era importante pra me acostumar.

Porém, logo em seguida, comecei a fazer ballet. E lá eu fui forçada a enfrentar mais desconfortos. Mostrar o corpo, para quem é tímido, é sacrificante. Pessoas te observando e corrigindo? Um martírio. O rosto fica quente, as mãos suam, a voz não sai. Tem gente que trava o corpo inteiro. Mas essas situações são importantes, elas aumentam o coro do “sobrevivi!!”.

Porque é isso, né, a timidez é o medo de se expor.

Se você enfrenta esse medo, ou seja, se expõe, e sobrevive todas as vezes, (ou quase todas, hehe! às vezes rola um mico básico), o medo diminui.

E a gente se expõe demais no ballet. Expomos o corpo, expomos as falhas, expomos nossos medos e fraquezas. A partir do momento que você abraça essas situações como necessárias e inevitáveis, além de completamente normais, você se solta.

E, miga, ninguém tá olhando tanto assim pra você. Tem um espelho enorme lá e todo mundo é meio narcisista no ballet.

Ah! Sabe quando você tá no ônibus e  tira um cochilo, aí dá aquela pescada? Você acorda toda assustada e olha pros lados achando que todos estão rindo de você, mas, SURPRISE, ninguém nem viu! A vida é assim! E se viram, bulhufas, ninguém te conhece e vão ou não dar importância ou esquecer disso em dez minutos.

Então, pra fechar, as dicas-modo-conciso são:

  • Enfrente sua timidez. Ser tímido não é anormal, mas nós sabemos que a timidez atrapalha nossa vida social e limita a quantidade de coisas incríveis que podemos fazer.
  • Exemplo de coisa incrível que perdemos: pedir mais ketchup quando o seu acabou.
  • Se exponha! Você vai sobreviver! Confie em mim. Eu era um casulo e hoje sou uma borboleta boba.
  • “Olha como eu sou engraçadinha, que bobinha eu”
  • Crie confiança em você mesmo, e não se importe tanto assim com o que os outros pensam.
  • Nobody yes door
  • (Essa eu não comentei lá em cima, mas lá vai:)
  • Rir!!
  • É!!
  • Ótimo!!
  • Rir de si mesmo deixa a situação mais leve, tira a tensão de que você acha que estão todos te julgando e rindo de você, porque agora estão rindo com você. Percebe a diferença? 😉
  • Sério mesmo! Humor foi minha maior ferramenta.
  • Criar um blog e fazer críticas ao professor e só saber que ele o lê quando ele comenta seus posts em aula também ajuda.

Gentes, eu já perdi as contas de quantas vezes eu falei “rapaz, eu fiz ballet. Tive que dançar de collant e sainha na frente de um monte de gente. Cê acha que eu vou ter vergonha disso?” Porque, né, mais da metade das situações embaraçosas (leia-se: para um tímido. Pedir guardanapos no balcão da lanchonete, jogar o lixo na lixeira do outro lado da sala, etc) fica FICHINHA perto disso. Né não?

°°°

E, pra quem quer um papinho mais científico, eu li este artigo e adorei.

Nude, por Shinichi Maruyama

Enquanto meu post maior e mais sério (diga-se de passagem) não sai, e porque eu penso com muito carinho no meu blog abandonado, aí vai um post com imagens.

O fotógrafo Shinichi Maruyama fez um série de fotografias de bailarinos nus, sobre movimentos da coreógrafa Jessica Lang (a peça dela que eu conheço, e talvez a mais conhecida, sei lá, é esta aqui). Em seu site, ele diz que tentou “capturar a beleza do corpo humano e seu movimento”. Cada imagem é formada pela combinação de 1o mil fotografias do bailarino, e o resultado é um monte de BELEZA de esculturas.

Confira e babe:

Daqui.

Tiaras

Espetáculos de final de anos chegando, figurinos chegando, acessórios de cabeça loucos chegando… Às vezes, a gente dá sorte de usar uma tiara bonita, ou uma coroa legal; outras vezes, é só uma coroa de flores em volta do coque.

Pra quem foi sortuda esse ano, eu tenho uma dica na manga. Eu vi há tempos, mas não salvei (mea culpa) e não lembro onde foi, nem as palavras-chave pra pesquisar (mea culpa intensifies).

Para a tiara ficar esteticamente agradável e e proporcional ao seu rosto, você tem que medir, com o polegar e o indicador, a distância entre a base do queixo e o espaço entre as sobrancelhas. Então, transferir essa mesma medida pra cima, sendo que, agora, o polegar está no espaço entre as sobrancelhas e o indicador está em algum lugar do seu cabelo. Essa é a base da altura da tiara.

Eu confirmei minha dica neste artigo que achei (o outro era tão bom, tinha fotos e gifs, tô chorosa). O artigo também dá outras dicas:

– só colocar a tiara depois de todo gel/laquê, pra não deixá-la grudenta (e enche a cabeça de grampos, miga)

– se seu rosto é comprido, uma tiara pontuda faz parecer mais longo ainda; se é redondo, uma tiara arredondada acentua isso. Basicamente, se você puder escolher, escolha o formato oposto ao seu rosto.

Agora, pra coroas, eu acho mais difícil de acertar, heheh. Muitas vezes, parece ~estranho e mal colocado na cabeça da bailarina. Quando está muito pra trás, eu acho, que dá essa impressão.

(Ah, a diferença entre coroa e tiara é que a coroa é circular e cobre toda a circunferência com pedraria, envolvendo a cabeça toda, enquanto a tiara é semicircular e enfeita só a frente da cabeça)

Já vi muita bailarina usando a coroa em volta do coque – nesse caso, um coque bem alto, pega o meio do topo e a curva da cabeça – e ficar bom, mas também já vi ficar ruim. Questão de bom senso, por isso a gente tem que começar a se arrumar mais cedo, pra dar tempo de testar.

Há também aquelas coroas que tem várias “camadas” de pedrarias, um fiozinho que cai sobre a testa, flores, etc. Isso é bom testar com antecedência de dias e achar a melhor proporção pra você. Se foi feita sob medida, vai ser fácil  (eu espero, hahah).

Agora fiquem com a linda da Maria Alexandrovna usando a regra da tiara com essa peça maravilhosa:

ba-Maria Alexandrova portrait (1)

E dicas da Kathryn Morgan.

Arrasem nesse espetáculo! ♡